google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Sem Brasil, o basquete iniciará nos Jogos Olímpicos com muita expectativa, e os mesmos favoritos

Os Jogos Olímpicos de Tóquio finalmente começaram, e já estão a todo vapor com muitas competições sendo disputadas – algumas antes mesmo da cerimônia de abertura. O Basquete, sendo um dos esportes mais tradicionais do evento, também terá sua importância, já que o esporte em si tem crescido no cenário mundial cada vez mais.

Cerimônia de Abertura (Instagram: @olympics)

Basquete Masculino


O Basquete Masculino tem muita visibilidade nas Olimpíadas, já que diversos jogadores da principal liga de basquete do mundo, a NBA, também participam da competição. Como sempre, os Estados Unidos são vistos como favoritos para conquistar o ouro olímpico, mas também outros países vão para o Japão com o sonho de beliscar uma medalha, e se possível, vencer a modalidade. Os principais países que podem dar trabalho para a seleção americana são a Espanha, atual campeã do Mundial de Basquete, a Argentina, que sempre chega entre os melhores, a Austrália, que conta com alguns bons jogadores da NBA e a França, que é uma das potências no esporte.

A competição


Será iniciada dia 24/07, às 22h (horário de Brasília). Neste ano, serão três grupos (A, B e C), dividindo as seleções em 4 equipes para cada grupo.


Grupo A: Estados Unidos, França, Irã e República Tcheca.

Grupo B: Alemanha, Austrália, Itália e Nigéria.

Grupo C: Argentina, Eslovênia, Espanha e Japão.


Cada time jogará contra os outros times do seu grupo, sendo, portanto, 3 rodadas na primeira fase. Os dois melhores de cada grupo passarão para as quartas de final, além dos dois melhores terceiros colocados. Os confrontos serão definidos em sorteio. Depois vêm a semifinal, e enfim, a grande final da competição, prevista para o dia 7 de Agosto.

Destaques


Os Estados Unidos não vêm com um Dream Team para tentar seu quarto título olímpico consecutivo, mas possui jogadores com muita capacidade de conquistar o ouro, e vindo com um plantel de 12 jogadores, se apresenta com os astros como Kevin Durant, Devin Booker, Draymond Green, Damian Lillard, Khris Middleton e Jason Tatum.

Damian Lillard (Instagram: @usabasketball)

Algumas seleções podem dar trabalho para a favorita seleção americana, já que o basquete em outros países vem com uma grande evolução nos últimos anos.

A Espanha, sempre competitiva e atual campeã do Mundial de Basquete em 2019, tem grandes chances de conseguir uma medalha este ano. Conta com uma equipe experiente - principalmente pelo país disputar uma liga forte; e com talentos vindos da NBA, como Ricky Rubio e os irmãos Gasol.

A França, que eliminou a seleção americana nas quartas de final do Mundial em 2019, é caracterizada pela sua defesa, tendo inclusive o vencedor do prêmio de Melhor Defensor do Ano na NBA, Rudy Gobert, além de outros jogadores experientes.

A Argentina, apesar de não ter astros do melhor basquete do mundo, possui uma boa tradição e conta com o “sangue sul-americano" para tentar ir longe neste ano.

E quem também pode surpreender é a Austrália, com alguns jogadores experientes e vindo da NBA, além da Eslovênia, que apesar de não ter um super time, conta com um super jogador, Luka Doncic, jovem astro do Dallas Mavericks e cotado para ser um dos principais jogadores de basquete do mundo em um futuro próximo.

Apesar do favoritismo dos Estados Unidos, este ano algumas seleções podem querer atrapalhar o principal objetivo dos norte-americanos em conquistar mais uma medalha de ouro para seu país.

Basquete Feminino


O Basquete Feminino se inicia um dia depois do masculino, e possui algumas seleções diferentes também, mas com o mesmo favorito das edições anteriores. Muitas estrelas da WNBA irão atuar nos jogos.

A competição


O formato das modalidades feminino e masculino são iguais, sendo três grupos (A, B e C), dividindo as seleções em 4 equipes para cada grupo.


Grupo A: Canadá, Coréia do Sul, Espanha e Sérvia.

Grupo B: Estados Unidos, França, Japão e Nigéria.

Grupo C: Austrália, Bélgica, China e Porto Rico.

Destaques


Com a seleção americana de basquete sendo campeã consecutivamente das Olimpíadas desde 1996, a expectativa é de que o time feminino não tenha muitas dificuldades para conseguir mais um ouro. Elas serão lideradas pela estrela Breanna Stewart, além da sua companheira de time Sue Bird, campeãs da WNBA em 2020 com o Seattle Storm; A’ja Wilson, MVP da WNBA em 2020, e mais algumas estrelas da competição nacional.

Equipe americana feminina para Tóquio 2020 (Instagram: @usabasketball)

Apesar do favoritismo para o ouro, as duas outras medalhas serão bem disputadas. A seleção da Espanha vem com uma equipe forte, tendo como principais jogadoras Astou Ndour e Alba Torrens. Elas foram derrotadas pelos Estados Unidos na semifinal do Rio em 2016, em um jogo acirrado.

Outras seleções que podem garantir uma medalha ou irem longe na competição são França, Bélgica, China e Austrália, que contém fortes times. Com destaque para a seleção australiana, que foi vice-campeã do Mundial de basquete feminino em 2018, perdendo para os Estados Unidos na final, e apesar de não terem ido bem na competição olímpica anterior, tem boas chances de conseguir grandes feitos.

Seleção Brasileira


O Brasil não conseguiu se classificar em nenhuma das duas modalidades do basquete para Tóquio 2020, masculino e feminino. As duas equipes foram derrotadas no pré-olímpico, a seleção feminina perdendo alguns jogos e não se classificando para as Olimpíadas desde 1992, e a seleção masculina que perdeu para a Alemanha na final do pré-olímpico após fazer uma ótima competição e vencendo todos os jogos anteriores.

19 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page