google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Paulão: "Tenho orgulho de onde cheguei"

Autor de golaços, com passagem por grandes clubes do país, o zagueiro do Fortaleza tem vários altos e alguns baixos na carreira


Foto: Bruno Oliveira/Fortaleza


Paulo Marcos de Jesus Ribeiro, o Paulão, nasceu no dia 25 de fevereiro de 1986. Aos 34 anos, o zagueiro coleciona passagens por grandes clubes do país e passou por várias experiências: já sofreu com rebaixamento, já levou candidato à rebaixamento para a Libertadores, já jogou na China e já foi campeão Brasileiro. Mas, no papo com o Dimensão Esportiva, ele conta como foi difícil o início de sua carreira:


"Meu começo foi complicado como o de qualquer atleta que vem de família humilde. Desde cedo ajudava a minha família, sempre me dedicando muito e acreditando no meu sonho de jogar futebol. Onde estou hoje é apenas um dos motivos pelos quais nunca desisti: acreditei que seria recompensado por todo o esforço e dedicação. Todo jogador que consegue se tornar profissional, um dia foi um menino jogando bola na rua e com o sonho de estar num estádio, com a torcida gritando seu nome. Tenho orgulho de onde já cheguei, e sei que ainda posso ir mais longe. Sigo trabalhando forte todos os dias para ser merecedor das bênçãos na minha vida" - contou.


Natural de Salvador, Paulão nunca jogou na sua terra-natal, e tem vontade de realizar esse sonho, mas deixou claro que hoje ele só pensa no Fortaleza:


"Tenho um carinho muito grande pelo futebol da Bahia, claro que tenho o sonho de ainda jogar em algum clube de lá, mas por enquanto a minha cabeça está totalmente no Fortaleza, procuro não pensar muito na frente, e sim me ater ao momento. Tenho contrato aqui, estou feliz e adaptado. Mas quem sabe o futuro não me reserva essa grata surpresa...o futebol é cheio dessas coisas".



Aventura Chinesa

Foto: Divulgação/Internacional Paulão é um dos vários atletas brasileiros a jogar na China. Após boas passagens pelo Grêmio Barueri e pelo Grêmio de Porto Alegre, o zagueiro foi para o Guangzhou Evergrande em 2011:


"Foi um prazer muito grande jogar na China. Conhecer um país e uma cultura completamente diferentes, ter a oportunidade de aprender sobre a escola de futebol chinesa, que não é muito conhecida, mas é rica em técnicas e estratégias. Foi um privilégio poder viver o país durante o tempo em que estive lá".

Montanha Russa Gaúcha


Em 2014, após ser Campeão Brasileiro pelo Cruzeiro, Paulão foi para o Internacional, clube onde mais jogou: foram 148 jogos e 10 gols marcados, sendo capitão do time por uma boa parte da sua passagem. Paulão, que havia jogado no Grêmio, afirmou que sua passagem pelo arquirrival não atrapalhou na sua chegada ao Beira-Rio:


"Realmente no Sul do país existe uma rivalidade muito grade entre Inter e Grêmio, mas isso não interferiu na minha chegada no Inter. Até porque, depois do Grêmio eu fui pra China e para o Cruzeiro antes de jogar pelo Internacional. Não foi uma transferência direta".


Foto: Carlos Macedo/Agência RBS


Pelo Colorado, Paulão foi tri-campeão gaúcho, e semifinalista da Libertadores em 2015, mas em 2016 viveu um fato inédito para ele e para o clube: o rebaixamento. O descenso surpreendeu pela qualidade do time e também pelo fato de ter liderado o campeonato nas primeiras rodadas. Paulão deu a sua visão do que causou aquela queda do time gaúcho:


"Quando um time do tamanho do Internacional, com toda sua grandeza e história, é rebaixado, é porque algo além do campo está errado. Acredito que foram falhas de gestão aliadas ao futebol, é claro. Porém não é somente dentro das quatro linhas que um time deste tamanho cai para a segunda divisão".


Zagueiro ou Ciclista?


Reprodução: Twitter/GaúchaZH


Apesar de ser um zagueiro, Paulão se notabilizou por lances plásticos no ataque. Em 2014, quando defendia o Internacional, ele marcou um golaço de bicicleta contra o Goiás, e em 2019, já pelo Fortaleza, voltou a marcar de bicicleta na vitória contra o Avaí. Paulão garante que os lances são treinados, mas assumiu que também contam com a sorte:


”Todos os lances são treinados. Claro que sempre contamos um pouquinho com a sorte do momento, mas me dedico fortemente nos treinamentos para que consiga realizar as jogadas em campo. Aproveito o tempo dos treinos para ensaiar jogadas que gosto e que tenho facilidade de fazer, assim consigo dar uma resposta melhor ainda nos jogos”.



Gigante na Colina


Foto: Carlos Gregório Jr/Vasco


Após sua saída do Inter, Paulão foi para o Vasco, onde conseguiu levar o time de candidato ao rebaixamento para uma vaga na Libertadores. Para ele, a união do grupo foi decisiva naquela campanha:

"Acredito que a união do grupo foi essencial nesse momento. Quando se vive uma fase ruim, é preciso entender as carências da equipe e do clube em si, para que possamos transformar isso em motivação. Aquele grupo tinha muita força de vontade, e foi na base da superação que conseguimos alcançar resultados que todos duvidavam".


O Fortaleza e a relação com Rogério Ceni


Foto: GazetaPress


Após a saída do Vasco e uma apagada passagem pelo América-MG, Paulão foi para o Fortaleza, onde voltou a viver um grande momento: além do gol de bicicleta contra o Avaí, é o zagueiro com melhor aproveitamento no Fortaleza (9 jogos, 6 vitórias, 1 empate e 2 derrotas), além de ser o único zagueiro que balançou as redes neste ano também. Ele falou sobre o momento no clube nordestino e sobre o treinador, Rogério Ceni:


"A passagem pelo Fortaleza está muito boa! Estou muito feliz e adaptado aqui. Fui muito bem recebido pelo grupo e pela torcida, e consegui responder dentro de campo a confiança que depositaram em mim. Quando cheguei consegui contribuir bastante, e espero que esse ano seja ainda melhor. Sigo me dedicando para retribuir o carinho e respeito que tenho aqui. O Ceni é um entendedor de futebol, jogou muitos anos, tem uma liderança ímpar. É muito gratificante trabalhar com alguém que já foi um grande ídolo do futebol nacional".


Sobre o futuro, Paulão preferiu não falar muito, ele quer focar no seu atual clube:


"Procuro não pensar muito nisso, sempre prefiro viver o momento atual. Estou feliz no Fortaleza e minha cabeça está completamente aqui. Estou focado em seguir com bons desempenhos para ajudar cada vez mais a equipe e para que possamos alcançar os nossos objetivos na temporada".

29 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page