google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

OPINIÃO: o preço de escolhas erradas no futebol

Foto: Thaís Magalhães/CBF

E o Brasil deu tchau ao sonho da sua primeira estrela. Na manhã desta quarta-feira (2), as brasileiras empataram em 0 a 0 com a Jamaica e foram eliminadas na fase de grupos da Copa do Mundo Feminina.


A campanha brasileira passou muito, mas muito longe de ser um primor. Muitos acreditavam piamente que a Canarinho seria fortíssima candidata ao título. E não foi. O Brasil pagou o preço nesta Copa de uma série de erros nas suas decisões.


E a grande fatia destes erros, veio de Pia Sundhage. Que pecou no estilo de jogo, com falhas defensivas gritantes (gol da Renard em França 2x1 Brasil, aonde a zagueira francesa sobe solitária e desimpedida para cabecear) e falhou também nos critérios para convocação.


Quem acompanhou a convocação da sueca, não engoliu muito bem o pretexto usado para as convocações de Bárbara e Mônica Hickmann. Grande parte deles, com bastante razão, diga-se de passagem, sentiram a falta da Cristiane (ausência dela no meu entendimento, pesou consideravelmente). A justificativa usada, foi a de "experiência". O que pesa mais: experiência, apesar de uma fase ruim ou bom momento? Essa é a pergunta de um milhão de dólares.


Além do mais, temos outros agravantes na mesa. Esquema de jogo super manjado, um 4-4-2- fácil de neutralizar, sistema defensivo frágil e jogadas no piloto automático. Para se ter noção, o Brasil não era eliminado na fase de grupos desde 1995. E ainda teve a Pia querendo se eximir da culpa após a eliminação, algo parecido com um "a culpa é delas, não me obedeceram". Faltou psicológico, confiança, e acima de tudo: inteligência. Pia Sundhage e a Seleção Feminina pagam o preço da teimosia na Austrália e Nova Zelândia.


É um vexame sem precedentes, e conceitos precisam ser revistos na Seleção Feminina e na própria CBF. E é uma despedida das Copas melancólica para a Marta. O sonho da primeira estrela fica para 2027. Resta juntar os cacos e se preparar para Paris, no ano que vem. Um Vexame, com V maiúsculo.


*As opiniões expressas aqui, são de total responsabilidade de seus autores, e não necessariamente refletem a opinião do Dimensão Esportiva

32 visualizações0 comentário

ความคิดเห็น


bottom of page