google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

OPINIÃO: As vésperas do Dia da Mulher, Ceará dá um presente de grego as suas torcedoras

Campeão em 2022, o Vovô abdicou da disputa da série A2 do Brasileirão Feminino neste ano.



Estamos na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, e teve clube que acabou dando um presente indigesto a sua torcida. Trata-se do Ceará, que alegando corte de gastos, abdicou da sua participação na edição de 2024 do Brasileirão Feminino A2.


Diante da contenção de despesas do clube e pela falta de obrigatoriedade para participar (o Ceará disputa a Série B, ficando opcional ter o time feminino inscrito na competição), as Meninas do Vozão não irão disputar a edição deste ano. As informações são de Iara Costa, colunista do jornal OPOVO.


A péssima gerência do setor por parte dos diretores alvinegros já vinha se arrastando há um bom tempo. Apesar do título estadual, conquistado nos penais diante do seu maior rival, o Fortaleza, isso acabou não sendo suficiente. Em 2022, as Alvinegras foram campeãs da segunda divisão nacional, fazendo uma campanha irretocável e batendo o Athletico nas finais.


No ano seguinte e de estreia na elite nacional, a situação já não foi mais a mesma. A temporada começou com um elenco esfacelado e desmanchado, e uma participação vexatória na Supercopa do Brasil Feminina, sendo coroada com a frase de um dos dirigentes do Vovô, Eduardo Arruda, que dizia: "elas estão felizes em jogar aqui."


Passado um ano dessa fala, este que vos escreve abre um questionamento: será que a torcida está realmente feliz com esse festival de incompetências protagonizado pela diretoria? É claro que não. Volto a escrever o que escrevi a época dessa fala para o site do Dimensão Esportiva: com futebol feminino não se brinca.


Não se pode gerenciar um time de futebol feminino de uma maneira tão burra, a ponto de sucatear o clube. O futebol feminino precisa acima de tudo, de dirigentes que saibam o valor da modalidade, que pensem grande e que acima de tudo, a respeitem.


Um detalhe a ser citado, é que com a desistência alvinegra, é que segundo o Regulamento Geral de Competições (RGC) da CBF, o clube que desistir de qualquer competição chancelada pela entidade, fica automaticamente suspensa das competições CBF por 2 anos. Com isso, o Alvinegro só tem no calendário deste ano a disputa do Campeonato Cearense Feminino, aonde lutará pelo pentacampeonato estadual.


A crise que vemos no Ceará só escancara um festival de lambanças protagonizado pela diretoria há tempos, que teve a sua "cereja azeda" posta no dia de hoje. É necessário investimento e respeito a uma modalidade que pede passagem mais e mais.



*As opiniões aqui expressas são de total responsabilidade de seus autores, e não necessariamente refletem as opiniões do Dimensão Esportiva.



8 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page