google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Na final mais fora do eixo da Europa, deu AZ Alkmaar!


A equipe sub-19 do AZ Alkmaar celebrando sua primeira conquista da UEFA Youth League! Foto: Reprodução / Twitter (@AZAlkmaar)

A UEFA Youth League é o torneio mais importante da base dos clubes na Europa. Responsável por grandes jogadores tendo um estrelato mais cedo desde 2013-14, sem dúvida alguma a edição que mais reservou emoção e surpresa foi a atual edição, a nona da história. O torneio que utiliza os grupos da UEFA Champions League profissional, com a adição de 32 campeões nacionais das melhores ligas ranqueadas pela UEFA, totalizando 64 equipes, teve como a maior surpresa uma final de equipes que não estavam nos grupos da Orelhuda. Esqueça os times aclamados, esqueça as noções sobre as melhores academias de base do mundo (ou as redefina), pois as emoções da final esse ano, foram protagonizadas pelo Az Alkmaar da Holanda e pelo Hajduk Split da Croácia.


Antes de me aprofundar nessa edição, vale algumas curiosidades sobre o charmoso torneio. Nas nove edições do torneio, há um destaque do Chelsea e do Barcelona, figurinhas marcadas no desenvolvimento da base, com dois títulos cada, além de quatro chegadas em finais da equipe londrina. Correndo por fora, mas também tradicionalíssimo, há o Benfica, que também com quatro finais, levou a taça uma vez só. Os outros campeões, ficam com os tradicionais Porto e Real Madrid, junto com os azarões RB Salzburg, e agora o AZ Alkmaar. A tradição madrilenha é forte até na base, com o Real sendo o time que mais jogou, mais ganhou e mais fez gols no torneio, mesmo apenas com uma taça.


Indo para a edição atual, obviamente o franco favorito era o atual campeão, o Benfica, mas claramente com todas as equipes tradicionais correndo juntamente pela taça, ainda mais por começar pelo caminho dos grupos. Mas no caminho nos campeões nacionais, tínhamos os que viriam ser os reais destaques do torneio. Ambos os finalistas começarem bem no caminho, passando a primeira fase facilmente, com os holandeses aplicando um 6-1 no agregado contra o Shamrock Rovers, e os croatas batendo por 5-1 no agregado o Gabala, do Azerbaijão. Mesmo com o AZ tendo que suar para eliminar o Estrela Vermelha da Sérvia na 2ª fase, indo aos pênaltis após um agregado de 3-3, a estrela do goleiro ganês Owusu-Oduro, de apenas 18 anos, brilhou e qualificou o time para as pré-oitavas no torneio. Já o Hajduk teve vida fácil, aplicando um 6-1 no agregado contra o albanês Apolonia.


Agora com as equipes favoritas, e sobrando apenas oito equipes das 32 qualificadas das ligas nacionais, o cerco fechava, porém os "Cabeças de Queijo" - como é conhecido o AZ - não tomou conhecimento do Eintracht Frankfurt, e aplicou um sonoro 5-0 em casa para carimbar o passe para as Oitavas. Já os "Mestres do Mar" - como é conhecido o Hajduk - teve uma vida mais dura contra o Shakhtar Donetsk, ganhando apenas por 1-0 com um golzinho no final, do wonderkid Luka Vušković, zagueiro de apenas 16 anos, nascido em 2007. Com ambos nas oitavas, havia uma alegre estatística para os holandeses, que em apenas cinco jogos, já totalizavam quinze gols. O destaque para o trio de ataque mortal comandado pelo Jan Sierksma, que fez 11 dos 15 tentos. Os jovens Ernest Poku (19 anos, 2004, ponta-direito); Mexx Meerdink (19 anos, 2003, centro-avante), fizeram quatro gols cada no torneio. Para fechar os destaques, o mais novo do trio, o Jayden Addai (17 anos, 2005, ponta-esquerdo), com três gols até então.


Ernest Polu e Jayden Addai comemorando um gol pelo AZ Alkmaar. Foto: Reprodução / EuroSport

No sorteio para as Oitavas, parecia que o jogo iria virar contra os Underdogs. O AZ Alkmaar pegou o tradicionalíssimo FC Barcelona, e enfrentaria a temida La Masia em plena Espanha. Já os croatas do Hajduk Split, por mais que tiveram sorte de jogar em casa, enfrentariam o fortíssimo Manchester City. Porém, contrariando todas as expectativas, ambos os times passaram bem. O AZ não tomou conhecimento do Barça, e aplicou um sonoro 3-0, com Kees Smit (17 anos, 2006, meio-campista) marcando um gol, e o na altura artilheiro Mexx Meerdink garantindo os outros dois gols. Já o Hajduk, foi jogar no campo profissional e teve um bom público para o jogo, fatores cruciais para segurar a vantagem de 2-1 obtida no primeiro tempo. Com gols marcados por Mate Antunović (19 anos, 2004, centro-avante) e Roko Brajković (17 anos, 2005, ponta-direito), a boa atuação do goleiro Borna Buljan (18 anos, 2005) garantiu a vaga da equipe na elite dos oito melhores.


Nas quartas, a moleza outrora vista já não era nem de perto esperada. O AZ Alkmaar voltava para sua casa, mas receberia o dificílimo Real Madrid, e o Hajduk Split iria ter seu primeiro em jogo único fora de casa, logo na casa da torcida apaixonada do Borussia Dortmund. O AZ novamente não tomou conhecimento, e se estabeleceu finalmente como um dos mais perigosos dessa reta final, com um sonoro 4-0 no time madrilenho. Poku e Meerdink balançavam a rede mais uma vez, e com um doblete do lateral Daniel Beukers (19 anos, 2004), a vaga holandesa estava garantida. Já os croatas, sentiram a pressão dos mais de 16 mil torcedores presentes no Signal Iduna Park. Em jogo truncado, mais uma vez Borna Buljan teve boa atuação, e após gol de Mate Antunović, parecia que o jogo teria um desfecho, mas não ocorreu. Com o empate aurinegro, o 1-1 persistiu e o confronto foi decidido nas penalidades. Após 17 cobranças convertidas, o Borussia finalmente perdeu uma cobrança, e com um 9-8 nos pênaltis, tínhamos o primeiro time croata entre os quatro finalistas de um torneio da UEFA, desde o próprio Hajduk Split, na Copa da UEFA de 1983-84.


Estávamos nas semis, o final four já estava em Genebra para a última (ou as últimas) partida (s) do torneio. Os confrontos se davam com Hajduk Split e Milan, e AZ Alkmaar contra Sporting. Os croatas não tomaram conhecimento do tradicional Milan, e já abriam caminho para sua primeira final, com um sonoro 3 a 1. Os comandados por Marijan Budimir foram letais, com três gols marcados nos trinta primeiros minutos da etapa final, com gols de Jere Vrcić (18 anos, 2004, ponta-esquerdo); Rokas Pukštas (18 anos, 2004, meio-campista); Šimun Hrgović (19 anos, 2004, lateral direito). No outro lado da chave, um jogo completamente tenso. Com gol cedo dos portugueses, o AZ buscou a virada ainda no primeiro tempo, com o importante Poku marcando novamente e Ro-Zangelo Daal (19 anos, 2004, ala/ponta-esquerdo) marcando o gol da virada. Logo cedo na segunda etapa o time de Lisboa empatou novamente, e um jogo muito aguerrido, com direito a briga no final, teríamos a segunda decisão por pênaltis do rolo compressor AZ Alkmaar. E nessa, os holandeses contaram novamente com o grande goleiro Owusu-Oduro, que pegou dois pênaltis e colocou a equipe na final contra os croatas.



Owusu-Oduro defendendo o pênalti de Rodrigo Ribeiro, essencial para a qualificação do AZ. Foto: Reprodução / Twitter (@UEFAYouthLeague)

Na final, quase dez mil torcedores atenderam o Estádio de Genebra para apoiar seus times em busca do título inédito, mas o que vimos foi um domínio do lado holandês. Na primeira etapa Borna Buljan fez quatro defesas difíceis para deixar a equipe viva no jogo, e a equipe croata não conseguia sair para o campo de ataque. Ao menos com um 0-0 ao fim do primeiro tempo, Budimir poderia mudar algo na sua equipe para melhorar a competitividade na segunda etapa, porém no apagar das luzes da primeira etapa, Luka Vušković fez pênalti infantil em Ernest Poku, e aos 45 minutos do primeiro tempo, Buljan não conseguiu pegar a sua primeira bola, após ótima cobrança de Jayden Addai para abrir o marcador.


Na volta do intervalo, o Hajduk até veio com outra atitude, forçando Owusu a trabalhar, porém dando bastante espaço para o AZ. Até que, aos 25 da etapa final, Ernest Poku, um dos destaques do torneio achou um chute fenomenal, sem chances para o grande arqueiro croata. A partir daí, a equipe croata se desesperou e vimos uma chuva de gols do lado holandês. Poku deixou mais um, e logo depois para se coroar como artilheiro da UEFA Youth League, Mexx Meerdink balançou a rede duas vezes, e totalizou a estrondosa goleada de 5 a 0 para o AZ, coroando a melhor campanha e o melhor time do torneio, que se desdobrou tirando gigantes como Barcelona e Real Madrid para conquistar a inédita taça, com méritos e mais méritos ao trabalho da equipe inteira, mas com um destaque especial ao técnico Jan Sierksma, além do letal trio de ataque citado anteriormente.


Do lado dos vice-campeões, há um otimismo muito grande pela frente, tendo o Hajduk sendo um novo celeiro de jogadores para os atuais 3º colocados mundiais, que até então tinham uma dependência (e ainda tem), muito grande do Dinamo Zagreb. Mas é o primeiro passo do que pode ser uma geração muito forte num futuro próximo. Um destaque que já se pode tirar, é uma futura zaga com Gvardiol (que só tem 21 anos) e o ainda adolescente Vušković (de 16 anos) que pode ser uma das melhores do mundo no futuro.

Olho na geração croata!


Mexx Meerdink, campeão e artilheiro da UEFA Youth League, com 9 gols em 6 jogos. Foto: Reprodução / Twitter (@AZAlkmaar)



33 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page