google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Gramado sintético pode ser a causa do rompimento de tendão de aquiles de Aaron Rodgers

Após lesão de rompimento de tendão de aquiles sofrida por Aaron Rodgers em sua estreia pelo New York Jets contra os Bills, jogadores se pronunciaram a respeito da grama sintética utilizada em alguns estádios da NFL. Esse debate não vem de agora, sendo uma discussão de alguns anos em torno da liga. Estudos indicam que o gramado artificial prejudica os atletas e lesões graves podem ter ocorrido por consequência disso. A seguir, confira em detalhes todas essas questões e veja qual a posição da Associação de Jogadores da NFL diante deste assunto.

Aaron Rodgers lesão gramado sintético
Imagem: Reprodução/SportsGrid

Gramado sintético na NFL

A grama sintética começou a ganhar espaço nos esportes americanos em 1966, quando a equipe de baseball, Houston Astros, construiu o seu famoso estádio Astrodome e percebeu que sua arquitetura de campo coberto dificultava o crescimento de grama natural. A aplicação do gramado artificial foi tão impactante que seu nome foi apelidado de AstroTurf.


Nos anos 1970, 80 e 90, algumas equipes da NFL passaram a utilizar a AstroTurf em seus gramados como uma alternativa mais barata por não precisar do mesmo cuidado e manutenção que a natural carece. Em 2002, a marca FieldTurf entrou na liga sendo implementada no estádio dos Seahawks, hoje com o nome de Lumen Field. A FieldTurf é composta por nylon, polipropileno ou polietileno e são unidos a um material base de suporte chamado de “enchimento” (“infil”, em inglês).


Hoje, metade dos estádios (15 - considerando que Jets e Giants dividem o MetLife Stadium e Rams e Chargers compartilham o SoFi Stadium) utilizam grama sintética em seus campos. Equipes como Titans, Bills e Bears, que farão reformas em seus estádios, pretendem adotar a Turf.


Gramado New York Jets MetLife Stadium
Imagem: Reprodução/DeadSpin

Lesões notáveis nos últimos anos

Além da lesão de Aaron Rodgers, o MetLife Stadium foi palco de uma outra lesão grave em 2020. Nick Bosa, defensive end do San Francisco 49ers, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho na semana 2 contra os Jets. No programa Monday Morning Quarterback, o jogador comentou:

“Eu realmente acho que a FieldTurf é um problema na NFL. O gramado que eu joguei em Nova York era novo. Ele era super macio e, aparentemente, eles passaram um rolo de cimento sobre ele duas vezes depois do jogo porque tivemos dois ACLs (lesões de ligamento) nele”.

Quando Nick Bosa diz que “passaram um rolo de cimento” no campo, ele se refere ao processo de compactação. Uma técnica usada para tornar o gramado mais resistente, na qual se passa um rolo motorizado que pressiona as fibras da grama e o solo abaixo.


Outra lesão que supostamente foi provocada pela grama sintética, é a do wide receiver Odell Beckham Jr, no Super Bowl de 2022. No segundo quarto da final, o wide receiver rompeu o ACL do joelho esquerdo. A suspeita levantada se dá pelo fato de que a lesão de OBJ não foi resultado de uma colisão.


Estudos e pesquisas sobre lesões em gramado sintético

Em 2019, a University Hospitals de Cleveland publicou um estudo realizado em 26 gramados de escolas de ensino médio entre os anos de 2017 e 18. As pesquisas concluíram que os atletas que jogavam em grama artificial sofreram 58% mais lesões do que os que estiveram em grama natural.


Os pesquisadores identificaram um total de 953 lesões durante o período de observação, deste total, 585 ocorreram em gramado sintético. Eles realizaram uma análise dividida em subgrupos para determinar as lesões com base na localização do corpo (parte inferior, superior e tronco), esporte em prática, nível de competitividade e quando eram em jogos oficiais ou treinos.


Lesão de NIck Bosa MetLife Stadium grama sintética
Imagem: Reprodução/MarketWatch

Eles chegaram à conclusão de que a grama artificial ocasionou lesões com mais frequência do que a natural. As lesões tiveram um nível de incidência mais alta em esportes como futebol americano, lacrosse masculino e rugby. No âmbito competitivo, as lesões ocorreram com mais frequência do que nos treinos.


O left tackle do Green Bay Packers, David Bakhtiari publicou em seu X (Twitter) uma pesquisa feita pela empresa de pesquisas e dados de saúde IQVA, que compara a taxa de lesões na NFL não ocasionadas por contato nos gramados naturais e artificiais. Com informações de 2015 a 2022, os gráficos indicam uma propensão maior a lesões na Artificial Turf.



Posicionamento da NFLPA

A Associação dos Jogadores da NFL (NFLPA) publicou nesta manhã de quarta-feira (13) um pedido para que a NFL adote como padrão os gramados naturais nos estádios das equipes.


O diretor executivo da associação, Lloyd Howell, disse que a grama natural para todos os estádios é a melhor decisão que a NFL pode tomar. Também afirmou que esse é um pedido feito pelos próprios jogadores e que o gramado natural é “simplesmente mais seguro do que o artificial”.


Essa é uma questão que a NFL deverá levar em consideração pois trata-se da saúde de seus próprios jogadores. O ocorrido com Aaron Rodgers prejudicou atletas, técnicos, diretores, patrocinadores, torcedores, mídias no geral e muitas outras pessoas. E claro, acima de tudo, o próprio Rodgers, que pode não voltar mais a jogar futebol americano profissionalmente.




Referências:

NFL.com , NBCBayArea.com , HealthNY.gov , LawnStarter.com , FOXNews.com , ESPN.com , CBSSports.com , NBCSportsBayArea.com e UHHospitals.org


98 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page