google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Anota a placa: Russos atropelam vôlei masculino do Brasil por 3 a 0


Ténico brasileira Renan Dal Zotto irritado com desempenho da equipe contra os russos. Foto: Gaspar Nóbrega/COB.

A Ariake Arena recebeu nessa manhã de quarta-feira (28) as duas maiores equipes do vôlei mundial da atualidade. De um lado, os russos (campeões mundiais de 2018 e 2019), do outro, os brasileiros (campeões mundiais de 2021 e atual vencedor da Copa do Mundo). Mas o confronto foi muito menos disputado do que os nomes exigiam, o Comitê Olímpico da Rússia (ROC) atropelou o Brasil por 3 a 0 (22/25, 20/25 e 20/25).


Set 1: O jogo começou equilibrado, ambas as equipes apostando em seus nomes ofensivos, Wallace pelo Brasil e Volkov pelo ROC. Porém, a maior diferença do confronto estava fora de quadra, o técnico dos russos Tuomas Sammelvuo optou por largar seu fundo de quadra e sempre subir com bloqueio triplo.


Com essa tática, combinada com um saque super potente, o Comitê Russo não dava oportunidade para o ataque do Brasil encontrar espaços, era bloqueio triplo em toda jogada, anulando o Brasil de Lucarelli e Leal (foram 6 bloqueios nesse set encima do ataque brasileiro). Final de set: 25 a 22.


Set 2: O ROC começou o segundo set da maneira que começou, a altura de sua rede triplicada colocou a equipe na frente novamente e escondeu Wallace do jogo. Visando a reação brasileira, o técnico Renan Dal Zotto fez as mesmas mudanças que deram certo no jogo contra a Argentina: entraram Douglas Correia e Fernando Kreling (Cachopa)para diferenciar a partida.


A mudança foi efetiva, porém tardia. Douglas era mais rápido que os três jogadores de rede russos e explorou bastante essa super ocupação do outro lado de rede, infelizmente para a seleção da América, era o único. Os outros ataques brasileiros ainda enfrentavam dificuldades com o bloqueio, levaram mais 3 nesse fundamento e deram muitos contra-ataques de graça para o ROC trabalhar com Volkov e Mikhaylov (somados fizeram 14 dos 25 pontos russos do set). Final de set: 25 a 20.


Set 3: O Brasil manteve Douglas em quadra, o que estava dando certo, porém também deixou Wallace, que estava dando errado. O camisa 8 brasileiro não havia feito nenhum ponto no segundo set inteiro, e foi muito exigido no terceiro set, e não correspondeu novamente.


Com uma boa vantagem para arriscar, os saques russos ficaram cada vez mais rápidos, ousados e mortais (3 aces no terceiro set). Quando ficaram a frente do placar na etapa, o Brasil respondeu colocando Allan no lugar de Wallace, e até realizou uma estranha pausa aos 24 pontos adversários, atitude tardiamente de novo do ténico Renan. O jogo já estava perdido para a seleção verde e amarela, e nenhuma reação ameaçou surgir, tanto dentro de quadra quanto fora dela. Final de set: 25 a 20.


O Brasil ainda enfrenta duas poderosas seleções pela fase de grupos: França e Estados Unidos, e busca garantir sua vaga na próxima fase da competição já na próxima quinta-feira (29) às 23:05h* contra os norte-americanos.


*Horário de Brasília.

12 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page