google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

ANÁLISE: O regular Brock Purdy


Reprodução: @brock.purdy13.

O retorno de Brock Purdy essa temporada era uma das histórias mais aguardas do ano de 2023 na NFL. A duvida que pairava a cabeça de todos os fãs era se a "cinderela californiana" voltaria em alto nível após a lesão no braço nas finais da NFC.


Purdy voltou assombrando nos camps, não dando chances para Sam Darnold e despachando Trey Lance para Dallas. Em campo, vemos um 3-0 e atuações extremamente positivas para quem saiu da 7a rodada, e talvez, toda essa surpresa de aumentar o nível de um ano para o outro possa ter gerado um "efeito mandela" na cabeça das pessoas.


O processamento de passe, leitura de jogo, tempo de pocket, velocidade ao lançar a bola, melhor escolha de rotas, todos esses foram pontos que fizeram o público esquecer de que rodada Purdy saiu, e com muitos méritos do camisa 13, porem, o efeito disso foi a elevação á um patamar que o mesmo ainda não pertence.


O segundanista dos 49ers faz um ano bastante consistente mas ainda é bastante engessado em alguns momentos. Se utiliza demais de McCaffrey e Mitchell, lança passes "no escuro" que dependem muito da qualidade de recepção de Kittle, Samuel e Ayuk.


O jogo bastante consistente, mas que em números nós faz acreditar que foi uma partida fora de série, que cai por terra quando olhamos o jogo com mais atenção. Algumas escolhas muito precipitadas em terceira decida, abuso do jogo terrestre, prejudicou a corrida de rota dos recebedores com passes mal trabalhados, alguns passes longos sem nenhum destino e a perca de dois touchdowns muito simples.


A falta de Ayuk foi sentida, com uma péssima leitura de profundidade e fundo do campo, Purdy abusou da força física de Deebo Samuel com passes médios no meio do campo e sofreu com a falta de George Kittle de recebedor, que estava focado em ser o ser o sexto nome da OL para abrir espaço para as corridas de McCaffrey e Mitchell.


Apesar disso, fez o sistema rodar, 310 jardas, 67,56% de passes completos, dois touchdowns, zero interceptações e uma partida segura apesar das ressalvas com erros bobos.


Com a OL e corpo de recebedores que tem, é notável a tranquilidade para desenvolver jogo e melhorar as suas ferramentas mas que também mascaram a percepção de o quão bom ele é e de onde até vai a sua contribuição.


Mesmo assim, ele é um dos responsáveis pelo crescimento do time nessa temporada e pode tranquilamente levá-los a um SuperBowl e podendo sonhar até mesmo com a conquista.


Sua regularidade e evolução fazem muitos o compararem com Tom Brady no inicio de carreira, mas, sua evolução súbita de uma temporada para a outra nos faz lembrar de Jalen Hurts, que hoje conta com recebedores espetaculares e é a principal ameaça dupla da liga.


Ainda com comparativos, acredito que Purdy possa se tornar um Joe Burrow menos refinado. Aquele cara que é pouco inventivo, nada showman, mas que vai garantir sempre vitórias e um jogo consistente.


Não acho que seja top7 QBs da liga, mas, caminha a bons passos para se manter com um jogador bom que com as peças corretas pode te garantir muitos jogos.

10 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page