google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

Análise: O recorde de medalhas no Pan é um bom indício pro Brasil em Paris 2024?


Meninas levantando o dedo pro alto
Na imagem, as meninas da Ginástica Rítmica após conquistarem o ouro no esporte. [Foto: Divulgação/ Raul Arboleda/AFP]

Neste domingo, tivemos a cerimônia de encerramento dos Jogos Pan Americanos Santiago 2023, edição histórica para a delegação brasileira, que conquistou seu recorde de medalhas, com 205 medalhas, sendo 66 de ouro, ficando pela segunda vez seguida em segundo lugar no quadro geral de medalhas do Pan, perdendo apenas para o imponente Estados Unidos. Após a finalização desta edição em terras chilenas, a pergunta que fica para o futuro é a seguinte: esse recorde no Pan é um bom indício para os Jogos Olímpicos de Paris, no ano que vem? Isso será respondido por tópicos, descrevendo as partes positivas e negativas dessa edição, além da já comentada perspectiva para as olimpíadas em terras francesas.



Os esportes que o Brasil mandou bem! (e que surpreendeu pela campanha)

Antes do Pan, era claro que tinha vários esportes que estavam sendo especuladas chances de medalhas brasileiras, e bem: em algumas modalidades, a expectativa foi muito bem correspondida, como no Skate com o ouro de Rayssa Leal e na Ginástica Artística com os ouros de Rebeca Andrade no salto e na trave. Mas em outros esportes, a delegação brasileira conseguiu façanhas sensacionais como a inédita medalha de prata do Beisebol, vencendo potências do esporte no caminho, como Cuba e Venezuela, além das medalhas de ouro da ginástica rítmica, que vem com muita força após o quarto lugar no mundial. Junto disso, um tabu quebrado: 36 anos depois, o Brasil FINALMENTE voltou a ganhar uma medalha de ouro no futebol masculino após derrotar nos pênaltis a seleção chilena.



O ponto negativo (e não foi por parte da delegação brasileira)


Um dos únicos (senão o único) pontos negativos do Pan de 2023 foi a falta de uma TV linear nas transmissões, tanto na TV Aberta como na TV Fechada, que devido a rescisão da Record com a PANAM SPORTS, não transmitiu essa edição e pelo valor elevado cobrado pela organização. E baseado no contrato antigo com a emissora da Barra Funda, nenhuma outra emissora de TV se interessou, deixando a competição exclusiva do Canal Olímpico do Brasil (gerado pela Nsports) e da CazéTV (uma parceria entre o streamer Casimiro Miguel e a Livemode), ambos via canal do Youtube, além do próprio canal da Panam Sports. Para Barranquilla 2027, essa questão de TV linear precisa seriamente ser resolvida…



E então: o Pan foi um bom indício para Paris? Quais esportes podemos ver o Brasil brigando por medalhas nas olimpíadas?


Os jogos Pan-Americanos não é um parâmetro perfeito, pois tem apenas os países do continente americano, mas com o Brasil ficando apenas atrás dos Estados Unidos, com outros países fortes em esportes olímpicos como o Canadá, pode se dizer que temos chances de conseguir uma boa quantidade de medalhas. A meta para Paris é quebrar o recorde de medalhas de Tóquio 2020, onde somamos 21 medalhas, ficando em 12º no quadro geral de medalhas naquela edição. Além de esportes coletivos que o Brasil tem mais força, como no vôlei (masculino e feminino) e no futebol (no momento, apenas no masculino, mas quem sabe a equipe feminina surpreenda), podemos ficar de olho em outros esportes como a Ginástica Artística e a rítmica, o tênis feminino, principalmente em três tenistas: Laura Pigossi e Luisa Stefani, que possivelmente vão repetir a dupla que conquistou o bronze em tóquio, e quem sabe Bia Haddad chegue a disputar os jogos de paris, nem que seja no individual. Além disso, temos skate, surfe, natação, tiro com arco (com o Marcus d’Almeida), podendo ter surpresas no atletismo, tanto no de pista como em outras modalidades, como no arremesso de peso, com Darlan Romani.

Commentaires


bottom of page