google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0 google.com, pub-5142149462024594, DIRECT, f08c47fec0942fa0
top of page

ANÁLISE: O Paysandu subiu pra segundona! E agora?


Elenco bicolor comemorando o acesso em carreata feita no último domingo. Foto: Jorge Luís Totti/ Paysandu S.C.

No último sábado (07), após ser derrotado por 1 a 0 pelo Volta Redonda, o Paysandu não foi alcançado no saldo de gols e garantiu a tão sonhada classificação para disputar a Série B do Campeonato Brasileiro após 5 anos na C, e claro, mesmo com os festejos do Círio de Nazaré rolando, a fiel bicolor não arredou o pé da avenida Visconde de Souza Franco, a popular Doca, para comemorar a conquista.


Comemorações à parte, vamos agora ao que realmente interessa: O que o lobo terá de benefícios com esse acesso e o que esperar de 2024 para as bandas da Curuzú? Por isso, contei com a parceria do meu colega de Dimensão Esportiva, Alexandre Segura, para fazer esta análise. Vamos listar os benefícios e os desafios que o clube terá que enfrentar para o próximo ano, não apenas na Série B, mas no Parazão também.



BENEFÍCIOS:


1 - Fundo Financeiro alto:


A estadia do Paysandu na Série B pode gerar nos cofres do Lobo mais de 30 milhões de reais, somados com cotas de TV, Planos de sócio-torcedor, vendas de ingressos e patrocínios diretos ao clube.


Na temporada 2024, os clubes que foram rebaixados da A, ascendentes da C e os remanescentes, receberão 11,5 milhões de reais em TV. Levando em conta os ingressos vendidos em todos os 38 jogos, podem arrecadar mais de 14 milhões de reais em bruto, sem contar o aumento de 600 mil reais com os planos de sócio torcedor. As informações são do portal Diário Online.



2 - Mais variedades de transmissões televisivas:


Diferente da Série C, que é em boa parte reclusa ao streaming (DAZN/Nosso Futebol), a Série B possui transmissão em todas as vertentes de comunicação. Além do streaming, a segundona também possui transmissões em TV aberta, pela Rede Bandeirantes, TV Paga através do SporTV e Pay-Per-View através do Premiere.


Em TV Aberta, a Band possui 4 janelas por semana, 2 locais e 2 nacionais. Na atual temporada, a afiliada paraense, RBATV, só transmitia as janelas nacionais. Com a chegada do Paysandu, a janela local vira uma realidade. Lembrando que enquanto possuía os direitos da Série C, a Band priorizava Remo e Paysandu, pois os jogos que tinham transmissão aberta, alcançavam altíssimas audiências em Belém, chegando a marcar até 40 pontos às 17h de um sábado.



3 - Visibilidade maior:


A segunda divisão é uma antessala a primeira, o que significa que a visibilidade, principalmente com a provável subida para a Série A pode alcançar mais públicos através dos meios de comunicação, ingressos vendidos, patrocínios, além da possibilidade de aumento na venda de produtos licenciados, o que contribui para o aumento da valorização do clube no mercado da bola. Além da atração de jogadores de alta patente para a montagem de um futuro elenco. No caso do Paysandu, que já possui uma história vitoriosa, com a passagem na Série A e a memorável Libertadores de 2003, também ajudam no reerguimento do clube.



Mosaico da torcida bicolor durante um dos jogos do quadrangular, contra o também classificado, Amazonas. Foto: Juan Pereira/ Paysandu S.C.


DESAFIOS:


1 - Manutenção na Série B acima de tudo:


Muitos torcedores fanáticos mal se contentam com o acesso a B e já querem logo o acesso à Série A, mas tudo provém de calma e, principalmente planejamento! A prioridade é primeiro estabilizar na B, para aí sim, pensar no acesso a A. O Paysandu precisa primeiro reunir um bom time e que saiba jogar a competição, pois o nível de times da Série B é maior e mais difícil.


Também passa pela contratação de jogadores que tenham experiência com a segunda divisão e que saibam das minas perigosas que ela tem, para que não possa repetir o erro do rival Remo em 2021, que contratou jogadores da Série C e D para disputar a B, e foi rebaixado na mesma temporada, ou até mesmo o ABC de Natal, que ganhou pouquíssimos jogos e o restante é derrotas atrás de derrotas nessa atual temporada.



2 - Não é só planejar, mas saber planejar:


Vamos continuar batendo nessa tecla, pois nesses últimos tempos o futebol paraense sofre com a falta de planejamento em todas as esferas. Tirando pelo próprio Paysandu, que nesta temporada e na passada, contratou quase 60 jogadores e a maioria deles nem pisou no gramado com o uniforme bicolor. O Paysandu precisa mirar em um projeto eficiente e duradouro, não apenas para esta temporada, mas nas próximas também, independente de subir para A ou ficar na B.


O bom planejamento gera um case de sucesso, como o do Fortaleza, que assim como o próprio lobo, disputou a Série C, a B, e está há 5 anos na Série A e atualmente na final de uma Copa Sul-Americana. Mas tudo provém, não só de investimentos, como de pés no chão também.


Com a probabilidade de dinheiro que entrará no clube na próxima temporada, a ordem é investir em estrutura própria, como o Centro de Treinamento em Ananindeua, que estava parado e retomou recentemente as obras, reforma e ampliação da Curuzú, estrutura de hotelaria, entre outros. O cuidado maior também é evitar a empolgação interna da diretoria, que acaba levando tudo por água abaixo. Exemplos disso não faltam.



3 - A Torcida também ajuda:


O papel do torcedor não é só torcer, mas também cobrar e apoiar o clube. A festa dada nas últimas rodadas do quadrangular da C é um bom exemplo do que acontece com o próprio Fortaleza nesses tempos, o show que a torcida deu fazendo mosaicos, cantando, foi um dos papéis importantes para a boa fase do clube.


A Fiel bicolor ajudando o time na temporada e fazendo o time se lançar nacionalmente é um fator gigante que ajuda sim, não só o time, mas o futebol paraense ter destaque. Ainda mais se tratando do futebol nortista, que ainda é marginalizado por muitos da mídia do sudeste.



4 - Ser espelho para o rival e os demais do Norte:


Além do Paysandu, o Amazonas também disputará a B, também resultado de um bom planejamento feito pela onça pintada ao longo do tempo. Com as dicas dadas aqui, o próprio bicolor pode, assim como os nossos vizinhos, ser um espelho de planejamento, não apenas para os seus rivais, Manaus e Remo, como para os demais times do norte que querem crescer. É uma missão difícil, porém, não impossível.



Espero que vocês tenham gostado das nossas sugestões, se você quiser saber mais do nosso trabalho sobre Futebol Nortista, acesse meus perfis nas redes sociais: @RGFoficial no X/Twitter e @rgf_oficial no Instagram. Siga o Alexandre também pelo @ArenaNoNe no X e @arenadonortenordeste no Instagram. Desejamos boa sorte ao Paysandu nessa empreitada!


71 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page